Cree en grande.
CONMEBOL

Bolívar garante vaga na Sul-Americana

Bolívar garante vaga na Sul-Americana

Bolívar da Bolívia venceu o equatoriano Delfín por 2-1 nesta quitna-feira em La Paz no encerramento do Grupo B da CONMEBOL Libertadores 2018 e mesmo que fracasou na sua tentativa de avançar às oitavas de final teve o prêmio de classificar à CONMEBOL Sul-Americana.

O espanhol Juan Miguel Callejón, com dois gols aos 13’ e 48’ minutos, encarregou-se dos gols da 'Academia' paceña. Ronald Raldes, aos 50’, anotou no seu próprio gol para o desconto do elenco equatoriano.

Com este resultado, Bolívar somou 8 pontos ficando no terceiro lugar da chave que venceu o colombiano Atlético Nacional com 10. Colo Colo do Chile terminou no segundo lugar e nas oitavas com 8 e uma melhor diferença de gols (0 contra -3 dos bolivianos). Delfín ficou na margem de ambos os torneios continentais com 7 unidades.

O jogo começou com alta intensidade. Um incisivo Bolívar que gerou varias jogadas de perigo no gol rival e um Delfín que mostrava que não estava disposto a vender cara a derrota.

Aos 13' minutos, trás um chute de lateral, o goleiro boliviano Romel Quiñónez habilitou rápidamente Callejón, que desde sua própria zona lançou-se em veloz corrida aproveitando o adiantamento da defesa visitante e lançou um violento remate desde fora da área, anotando o 1-0.

As más noticias para Bolívar apareceram aos 22' minutos quando seu craque principal, o atacante argentino Marcos Riquelme, deixou o campo por uma lesão no joelho. Foi substituido pelo goleador boliviano Juan Eduardo Fierro.

Aos 48' minutos, Henry Canga cometeu um erro defensivo passando uma bola ao seu goleiro, porém a bola foi roubada por Juan Carlos Arce que levantou um centro que Callejón enfiou de cabeça anotando a segunda conquista.

Quando parecia que ia ser o gol da tranquilidade, veio o descuento de Delfín aos 50' fruto de uma desinteligência entre o zagueiro Ronald Raldes e o goleiro Quiñónez. O defesa central terminou introduzindo a bola no próprio gol.

Aos 68' minutos, Delfín ficou em inferioridade numérica trás a expulsão do defesa Luis Chicaza pelo segundo cartão amarelo. Porém, a diferença não afetou o jogo.

A equipe do brasileiro Vinícius Eutrópio assustou os equatorianos, porém não teve a eficiência para aumentar o placar e conseguir a diferença que precisava acumular para aspirar a classificar às oitavas.

 

 

AFP