Cree en grande.
CONMEBOL

Buenos Aires em clima de festa millionaria

Buenos Aires em clima de festa millionaria

Milhares de torcedores do River Plate tomaram neste domingo o centro de Buenos Aires, a pouco da apitada que encerrou a final em que o time conquistou sua quarta CONMEBOL Libertadores, num superclássico frente ao Boca Juniors.

"Sinto uma enorme emoção. Nunca passei por isso e agora que tenho 21 anos estou passando e é algo lindo", disse Jonhatan Carballo, que se juntou nos festejos, montado em sua moto junto com a namorada, ambos com a casaca do River.

Famílias inteiras, amigos, grupos de torcedores com bandeiras e camisetas do time foram se juntando, enquanto soavam bozinas e cânticos para o clube campeão. 

Quando terminava a partida uma forte chuva chegou na capital argentina, mas aos poucos o céu se abriu convidando a continuar a celebração.

"Viemos para festejar em família", disse Romina Garrido, de 37 anos, que, com a bandeira em mão, e na outra seu pequeno filho Gastón. 

Romina nunca duvidou que o River seria campeão porque "tenho uma fé cega em (DT Marcelo) Gallardo, que nos deu estes triunfos e estas alegrias", se entusiasmou emocionada e com a voz rouca recordou seu pai que lhe inculcou o River desde pequena.

No bairro de Belgrano, vizinho de Núñez, onde está o Monumental do River, a primeira explosão chegou aos 109 minutos quando o colombiano Juan Quintero anotou o segundo gol do 'millonario' que abriria a porta ao título ante um Boca com um jogador a menos pela expulsão do também colombiano Wilmar Barrios por duplo cartão amarelo.

Na outra ponta da cidade, na Boca, o gol de Quintero foi um balde de água fria mas no fim do jogo, a música dos bombos auriazuis continuava.

"Isto é assim, o futebol é assim, se ganhar ou perder o sentimento não termina nunca, a torcida canta. 'Aguante Boca'", declarou à AFP Romina López, perto da Bombonera, pese a tristeza da derrota 3-1.

 

 

 

AFP