Cree en grande.
CONMEBOL

Copa América Feminina: Colômbia avança às finais e Chile supera batalhado jogo pelo Grupo A

Copa América Feminina: Colômbia avança às finais e Chile supera batalhado jogo pelo Grupo A

Com gols e ritmo de cumbia a seleção colombiana classificou, nesta terça-feira, para as finais da Copa América Feminina Chile 2018 ao derrotar o Peru por 3-0, enquanto o anfitrião combinado venceu o Uruguai por 1-0 e é segundo do Grupo A.

A Colômbia, uma das seleções a lutar pelo título contra o todo-poderoso Brasil, abriu caminho para a classificação graças a Maria Usme que, aos 22 minutos com um tiro livre, fez o nono gol de sua conta, que a torna a goleadora do torneio.

Leicy Santos marcou o segundo gol no minuto 54 e Isabella Echeverry aos 83', o terceiro, com o qual as cafeteiras somaram 10 unidades na tabela de posições de grupo.

A Colômbia consolidou sua classificação com outras duas goleadas contra o Uruguai (7-0) e contra o Paraguai (5-1). O único resultado estreito foi contra o Chile (empate 1-1).

No segundo tempo, em uma partida dramática, o Chile conseguiu um trabalhado triunfo sobre o Uruguai 1-0.

Apenas aos 80 minutos, depois de um cruzamento da direita, aa atacante María José Rojas conectou a bola na área do adversário e enviou para o fundo da rede.

A vitória coloca as chilenas no segundo lugar no grupo, com cinco pontos, relegando as paraguaias para o terceiro lugar (4). Enquanto o Uruguai fica com um ponto e eliminado.

O Grupo A terá sua última rodada na quinta-feira, no Estádio La Portada de La Serena, que irá definir o classificado com os jogos entre o Paraguai e Uruguai, Chile e Peru, com um ponto e sem opções. A classificada Colômbia ficará livre.

Enquanto isso, no Grupo B, a luta se torna saborosa, com o Brasil, o multicampeón sul-americano com a primeira opção para entrar na fase final, e Venezuela e Argentina logo atrás, a Bolívia e Equador não têm pontos.

Na quarta-feira, vão jogar para este grupo em Coquimbo, a Argentina com a Venezuela e a Bolívia com o Brasil. O Equador ficará livre.

 

 

 

 

 

 

AFP