Cree en grande.
CONMEBOL

Dudamel prevê "um 2018 muito intenso”

×

Menssagem de erro

Notice: Undefined index: und em eval() (linha 1 de /data/www.conmebol.com/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_argument_default_php.inc(66) : eval()'d code).
Dudamel prevê "um 2018 muito intenso”

A Vinotinto Sub-20 começou 2018 com trabalho e mais trabalho. A seleção nacional venezuelana está concentrada na cidade de San Cristóbal, estado de Táchira, desde a segunda-feira passada, onde realiza o oitavo módulo de preparação para o Campeonato Sul-Americano da categoria, que será realizado daqui a doze meses.

O treinador nacional, Rafael Dudamel, opinou sobre o encerramento do ano passado e o início do calendário atual, no qual trabalharão arduamente pensando na competição regional. "Dezembro foi um mês de descanso, de recuperação, depois de um 2017 bastante ativo e carregado de competição oficial. Recarregando bateria, porque 2018 é um ano de muita preparação, muito intenso e que já começou, três semanas de trabalho, exatamente como planejado, uma convocatória bastante ampla, de 29 jogadores, além dos que ficam fazendo pré-temporada em suas respectivas equipes para se preparar para o torneio venezuelano e é o que mais desejamos, que possamos aproveitar ao máximo este ano em quanto a módulos de trabalho, amistosos internacionais, alguns torneios em que já confirmamos nossa participação, como o COTIF em Valência, Espanha, no meio do ano e os convites estão constantemente chegando, porque o nível mostrado na Copa do Mundo e nas diferentes competições tornam a Venezuela um rival atraente pelo seu nível competitivo", comentou.

Para o treinador, nascido no estado de Yaracuy, o módulo de trabalho que atualmente é realizado é de grande valor para o grupo. "Essas três semanas vão nos servir muito para ir modelando o que é a competição oficial, onde o jogador venezuelano joga na liga local cada semana, esporadicamente domingo e quarta-feira, isso é bom para nós, mas nesta pré-temporada, condicionamento físico jogando a cada 48 horas, assim como no Sul-Americano, é o que nos permitirá ir criando uma marca de competição, de alta competição em nossos jogadores ", disse.

O diretor técnico do elenco nacional também revelou que a concentração se transladará para Medellín, Colômbia, onde vão trabalhar de 14 a 27 de janeiro. "Já passamos o primeiro semestre, a primeira etapa, que é a pré-seleção, temos bem detectado o universo de jogadores da categoria, os anos 1999, 2000 e 2001, e em Medellín daremos continuidade ao que estamos fazendo em San Cristóbal, mas já em uma etapa mais competitiva. Poder realizar cinco partidas em lapsos de 48 horas e que nossos jogadores aprendam e comecem a sentir esse sofrimento físico que dentro do condicionamento físico e a exigência das partidas, no momento da chegar à competição possamos manejá-lo com naturalidade", confessou.

“A ideia é poder jogar em Medellín com os times da região, seja Envigado, Atlético Nacional, Águilas de Rionegro, Leones, uma região que tem quatro a cinco equipes na primeira divisão e realizaremos jogos entre sub-20 e primeira divisão ", Dudamel continuou.

Além disso, o DT elogiou a demonstração de seus jogadores em Santa Marta, Colômbia, onde enfrentaram a primeira competição do ciclo e conseguiram estar no pódio. "Eu realmente amei os Jogos Bolivarianos, por todas as circunstâncias que tivemos que viver, eu digo que 2018 é um ano de preparação, mas no fim, cada vez que vamos ao campo queremos ganhar, porque sabemos as expectativas que são geradas, que são criadas toda vez que a seleção entra em campo e vir da Coreia, da Copa do Mundo Sub-20 e enfrentar os Jogos Bolivarianos, esqueci que era a fase de pré-seleção e levamos o grupo dos Sub-18, porque eram da categoria dos anos 2000 e 2001, a uma exigência máxima, não estiveram os de 1999, e além da medalha de bronze que ganhamos, bem merecida pelos meninos, sentimos que poderia ter sido um pouco melhor, as conclusões foram muito positivas, porque em uma fase de pré-seleção poder observar, conhecer o jogador de futebol dentro da competição oficial, para nós foi muito proveitoso ", argumentou.

Rafael Dudamel aproveitou a análise do universo de jogadores que ele tem para a fase de preparação para o sul-Americano. "Pode parecer que os jogadores do primeiro ano da categoria sempre deveriam marcar muita diferença, e sim, na maioria das situações acontece, no entanto, nós detectamos os jogadores de cada ano, potenciamos todos da mesma maneira e depois damos a eles, naturalmente, a possibilidade de competir com os do primeiro ano ou do terceiro ano, aos do primeiro semestre do primeiro ano ou aos do último semestre do terceiro ano. As diferenças são notadas, mas há muito talento; hoje temos um Brayan Hurtado, um (José) Bandez, um (Christopher) Montaña, que nasceram em 1999, para mencionar alguns, mas também temos um Anderson Contreras, que ganhou muitos elogios, e que é do ano de 2001", indicou.

"A competição é saudável e depois os melhores são os que irão para o Sul-Americano; em alguns casos específicos se nota a diferença, o talento está, mas é sempre um ou dois anos de diferença de crescimento, de trabalho, de desenvolvimento, e lembro muito e coloco como ponto de partida a Sub-20 do ciclo anterior, os vice-campeões do mundo, porque os gols que se destacaram, o caso de (Wuilker) Fariñez, Yangel Herrera e alguns, eram do segundo ano da categoria, então depois de ter vivido essa experiência, não podemos nos fechar dentro do livro, que são o do primeiro ano que devem estar, absolutamente ", concluiu o técnico nacional.

 

 

CONMEBOL.com/FVF