Cree en grande.
CONMEBOL

Galería histórica

Las imágenes que construyeron la grandeza de América del Sur

El fútbol de América del Sur se construyó con generaciones de futbolistas y dirigentes que catapultaron al bien llamado “continente del fútbol”, al primer mundo de la excelencia.

Nadie podrá discutir la contribución de Sudamérica en el desarrollo del balompié universal, con personajes célebres, que peldaño a peldaño alcanzaron notoriedad, en base al sacrificio e integridad, constituyéndose en mensajeros del juego limpio, desde siempre…

CONMEBOL.com rinde su homenaje a miles de hombres y mujeres que con devoción tributaron, en el día a día, el más genuino sentimiento de pertenencia, exhortando la magnanimidad del fútbol como herramienta de convivencia pacífica, respeto y solidaridad y mejor calidad de vida entre los seres humanos.

Brasil 1950. Uruguai estremece os cimentos do Maracanã e derrota o anfitrião 2-1. Jules Rimet, faz entrega da copa que leva seu nome ao capitão charrúa, Obdulio Varela.‏
Brasil é Penta! Coreia - Japão 2002. Cafu ergue a copa, Pelé abraça Ronaldo e Scolari acaricia o símbolo mais impactante na história do futebol.‏
Argentina 1978. Mario Alberto Kempes, o goleador. Passarella, a copa conquistada e a seleção argentina no Monumental. A alviceleste supera Holanda 3-1 na prorrogação.‏
Romualdo Arppi Filho, implacável na final México 1986 que consagrou a seleção argentina ante Alemanha, 3-1. O árbitro brasileiro marcou um momento histórico na arbitragem sul-americana.
MUNDIAL DA SUÉCIA 1958. Juan Vicente Lezcano, Oscar Aguilera e Eligio Echagüe do Paraguai, antes da partida contra a Escócia em que os sul-americanos ganharam 3-2.
OBDULIO VARELA, célebre capitão da seleção uruguaia campeã no Mundial de 1950. Posando com a bola e arrumando sua chuteira com o martelo na mão.
Um tributo a HIDERALDO LUIZ BELLINI, falecido recentemente, capitão da seleção que ganhou o primeiro título mundial do Brasil, Suécia-1958. Aqui aperta a mão de Liedholm, capitão da Suécia. Quem observa é o árbitro francês Maurice Guigue.
ADEMIR MARQUES DE MENEZES, ou popularmente chamado “QUEIXADA”, por sua proeminente mandíbula. Um temível centroavante, goleador da Copa do Mundo Brasil-1950. Um ídolo que chorou, como todos, na derrota final ante o Uruguai.
Estádio do Maracanã, um cenário que vai muito além do futebol, por seu significado, aqui será realizado o jogo final do campeonato Mundial da FIFA Brasil 2014. Possui capacidade para 73.531 espectadores.
Vista aérea da cidade de Salvador - Bahia, de onde sobressai um símbolo do presente para o futuro: o estádio Fonte Nova com capacidade para 52.048 espectadores.
Magnífica vista aérea da Arena Beira Rio da cidade de Porto Alegre, o mesmo pode albergar 48.849 espectadores.
Estádio Castelão, outro itinerário previsto para o Mundial Brasil 2014, possui capacidade para 64.846 pessoas.
O estádio Arena Pernambuco, em Recife. Possui capacidade para 42.849 espectadores.
GUILLERMO STÁBILE, goleador do Mundial de 1930 com a Seleção Argentina. Como DT alviceleste ganhou seis edições da Copa América, um mestre de várias gerações de futebolistas argentinos.
FERNANDO RIERA, uma excelência na história do futebol chileno, como futebolista e diretor técnico. Conduziu a seleção do seu país no Mundial de 1962 e foi campeão da Liga Europeia com o Benfica. Um vencedor.
O Diretor Técnico uruguaio, JUAN LÓPEZ, nada menos, o descobridor do incrível goleador, ALBERTO SPENCER e LUCIANO MACÍAS, outro goleador, com a camisa equatoriana, dirigido pelo charrúa. Ano 1959.
VICENTE ÍTALO FEOLA, campeão do Mundo na Suécia na direção técnica da Seleção Brasileira. Um símbolo do crescimento implacável das seleções da Confederação Brasileira de Futebol.
RAFAEL SANTANA, recebe o reconhecimento do Sr. Rafael Esquivel, presidente da Federação Venezuelana. Foi jogador e diretor técnico, contribuindo ao desenvolvimento do futebol de seu país, com uma carreira exitosamente exemplar.