Cree en grande.
CONMEBOL

Galería histórica

Las imágenes que construyeron la grandeza de América del Sur

El fútbol de América del Sur se construyó con generaciones de futbolistas y dirigentes que catapultaron al bien llamado “continente del fútbol”, al primer mundo de la excelencia.

Nadie podrá discutir la contribución de Sudamérica en el desarrollo del balompié universal, con personajes célebres, que peldaño a peldaño alcanzaron notoriedad, en base al sacrificio e integridad, constituyéndose en mensajeros del juego limpio, desde siempre…

CONMEBOL.com rinde su homenaje a miles de hombres y mujeres que con devoción tributaron, en el día a día, el más genuino sentimiento de pertenencia, exhortando la magnanimidad del fútbol como herramienta de convivencia pacífica, respeto y solidaridad y mejor calidad de vida entre los seres humanos.

COLO COLO, CAMPEÃO DA AMÉRICA 1991. Em 5 de junho derrotou o time do Olímpia do Paraguai 3-0 no estádio Monumental. Chile se comoveu com o primeiro título continental de sua história esportiva.
COPA AMÉRICA 1924. Manuel Fleitas Solich, capitão do Paraguai, o árbitro chileno Arturo Parodi; José Nasazzi capitão do Uruguai; com os juízes de linha. Um tempo que foi embora, mas que significou a consolidação do futebol Sul-Americano.
CHILE 1955, na Copa América. Enrique Hormazábal, René Meléndez, Jorge Robledo, Manuel Muñoz e Guillermo Díaz.
SINFORIANO GARCIA, incrível goleiro paraguaio. Depois da Copa América de 1949, com a seleção do seu país, foi transferido ao Flamengo do Rio, sendo uma referência histórica pelas suas defesas.
PEDRO PETRONE, o uruguaio goleador dos Jogos Olímpicos de Paris, 1924.
UMA LENDA. Juan Domingo Brown, pioneiro do futebol argentino. Ano 1916, calção com cinto e mãos nos bolsos. Foi futebolista do Alumni.
CHUVA DE ESTRELAS. Amarildo, Rivelino, Marcos, “Lobo” Zagallo e Bebeto.Cinco Campeões do Mundo com um único selo: Brasil.
O RELATOR, acompanhado do comentarista e a voz comercial, um policial garante a segurança. Por seu volume o microfone devia captar tudo. Sentados no gramado dentro do campo de jogo. O jornalismo esportivo, grande impulsor do desenvolvimento do futebol.
O RÁDIO, o mágico aparelho para escutar os jogos. Absoluto silêncio e vestimenta impecável. Esta foto remonta a década de 50.
PERU NOS JOGOS OLÍMPICOS DA ALEMANHA 1936. Jorge Alcalde, Teodoro “Lolo” Fernández e Alejandro Villanueva.
JOSÉ MARÍA MINELLA, capitão da Argentina e José Nasazzi, capitão do Uruguai, um ramo de flores simbolizando o jogo limpo na época. Uma cena do Mundial 1930 em que os 'charrúas' ganharam.
MARIO MERCADO, um lutador incansável pela causa do seu clube, o Bolívar de La Paz e pelo futebol de seu país, Bolívia. Um executivo de alto nível e dirigente de futebol de coração aberto. Faleceu em 12 de janeiro de 1995 em um acidente aéreo.
LIBERTAD, GANHADOR DEFINITIVO EM 6 TEMPORADAS DO FUTEBOL PARAGUAIO. Equipe de 2008. E. Balbuena, L. Alvarez, J. Samudio, V. Cáceres e Victor Centurión. Abaixo: Vladimir Marín, M. Maciel, A. Román, Pedro Sarabia, Sergio Aquino e Osvaldo Martínez.
BRASIL BICAMPEÃO DE FUTEBOL FEMININO SUL-AMERICANO. 22 de janeiro de '95. Mirian, Fanta, Solange, Marcia Taffarel, Tania, Fia, Bel, Duda, Meg. Abaixo: Elane, Cenira, Michael Jakson, Sissi, Roseli, Valeria, Naida, Russa e Rosa.
CARACAS FÚTBOL CLUB, na temporada 1993-94, vencedor absoluto da Federação Venezuelana. Zdenko, Morovic, R. Cavallo, L. Páez, A. Vogler, C. Baena e S. Maldonado. Abaixo: Salisu Ibrahin, G. Miranda, C. Bencomo, Gerson Díaz e Nelson Carrero.
GREGORIO PÉREZ E PABLO BENGOECHEA, em uma cena que forma parte da trajetória histórica do vitorioso Peñarol, Bicampeão 1993-94 de futebol uruguaio.
MARTÍN PALERMO E FALCAO GARCIA, juntos na CONMEBOL pelos 50 anos da Libertadores.
Juan Ramón Verón, um símbolo do Estudiantes de La Plata, tricampeão da Libertadores 1968-69-70, Campeão Intercontinental 1968. Em um festejo, como tantos em sua trajetória.