Cree en grande.
CONMEBOL

Situações de análise VAR – Equador x Uruguai

×

Menssagem de erro

Notice: Undefined index: und em eval() (linha 1 de /data/www.conmebol.com/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_argument_default_php.inc(66) : eval()'d code).
Situações de análise VAR – Equador x Uruguai

Compartilhamos este material de caráter didático que serve como esclarecimento e descrição de situações relacionadas com o futebol baseadas no Protocolo VAR e Regras de Jogo das partidas correspondentes às Eliminatórias Sul-Americanas.

 

VÍDEO 1

EQUADOR x URUGUAI

13 DE OUTUBRO DE 2020

ESTÁDIO: RODRIGO PAZ DELGADO

QUITO, EQUADOR

MINUTO: 33'

Tocar a bola com a mão

Cometerá infração o jogador que:

  1. Toque na bola de forma voluntária com a mão ou o braço, incluído o movimento em direção à bola com estas partes do corpo;
  2. Marque gol diretamente com a mão ou o braço —inclusive se a ação é produzida de forma acidental—, incluído o goleiro.
  3. Imediatamente depois que a bola toque nele ou num companheiro de equipe na mão ou braço, inclusive acidentalmente: marque gol no arco adversário;
  4. Gere uma ocasião de gol;
  5. Toque na bola com a mão ou o braço quando: a mão ou o braço esteja posicionado de forma antinatural e consigam que o corpo ocupe mais espaço;
  6. A mão ou o braço estejam situados por cima da altura do ombro ou mais além deste, a não ser que a bola seja jogada de forma voluntária com outra parte do corpo, e logo toque na mão ou no braço.

Estas infrações serão consideradas inclusive caso a bola toque na mão ou no braço do jogador após ter rebotado na cabeça, corpo ou o pé de dito jogador ou de outro que esteja situado perto do primeiro.

Decisões arbitrais

O árbitro tomará suas decisões segundo seu critério de acordo com as Regras de Jogo e ao espírito do futebol. As decisões do árbitro serão baseadas na opinião deste último, quem terá o poder discricionário para tomar as decisões adequadas dentro do marco das Regras de Jogo. (Pág. 71 Regras de Jogo)

VAR

1. Princípios

A atuação dos VAR em jogos de futebol está baseada em uma série de princípios que deverão ser aplicados em sua totalidade em todos os jogos onde intervenham:

1. O árbitro assistente de vídeo (VAR) é um membro da equipe arbitral com acesso independente às imagens da retransmissão do jogo; o VAR só pode ajudar o árbitro no caso de que seja produzido um «erro claro, óbvio e manifesto» ou um «incidente grave inadvertido» em relação ao:

a. gol/não gol;

b. pênalti/não pênalti;

c. cartão vermelho direto (não assim o segundo cartão amarelo/admoestação);

d. confusão de identidade (quando o árbitro admoesta ou expulsa o jogador errado da equipe infratora).

2. O árbitro sempre deverá tomar uma decisão, em outras palavras, o árbitro não poderá omitir uma decisão e, posteriormente, recorrer ao VAR para tomá-la; poderá ser revisada a decisão de permitir que prossiga o jogo após uma suposta infração.

3. Não será modificada a decisão inicial tomada pelo árbitro a não ser que a revisão da jogada demonstre claramente que a decisão constituiu um erro claro, óbvio e manifesto.

4. Somente o árbitro poderá iniciar uma revisão; o VAR (e o resto dos membros da equipe arbitral) unicamente pode recomendar ao árbitro que esta seja realizada.

5. A decisão final será sempre do árbitro, já seja a partir da informação do VAR ou depois de ter realizado uma revisão no terreno de jogo.

6. Não há limite de tempo para o processo de revisão, já que a precisão é mais importante que a rapidez.

A continuação, as categorias de decisões ou incidentes que podem ser revisados em caso de que seja produzido um possível «erro claro, óbvio e manifesto» ou «um incidente grave inadvertido»:

a) Gol/não gol Infração cometida pela equipe atacante na jogada de gol ou ao marcar o gol (mão, falta, fora de jogo, etc.).

Bola não em jogo antes do gol.

Sobre a concessão de um gol (gol/não gol). Infração cometida pelo goleiro ou o lançador durante a execução de um pênalti ou adiantamento de um atacante ou defesa que participa diretamente no jogo se o pênalti rebota em uma trave ou no goleiro.

--

VÍDEO 2

EQUADOR x URUGUAI

13 DE OUTUBRO DE 2020

ESTÁDIO: RODRIGO PAZ DELGADO

QUITO, EQUADOR

MINUTO: 17'

  • Posição de fora de jogo

O fato de estar em posição de fora de jogo não constitui infração. É considerado que um jogador está em posição de fora de jogo quando:

cabeça, torso ou perna (pé incluído) se encontram, total ou parcialmente, na metade do terreno de jogo adversário (excluindo a linha central) e

cabeça, torso ou perna (pé incluído) se encontram, total ou parcialmente, mais perto da linha de meta contrária que a bola e o penúltimo adversário.

Na hora de determinar se um jogador está em posição de fora de jogo, não será tido em consideração as mãos nem os braços dos jogadores, tampouco no caso dos goleiros.

  • Infração por fora de jogo

Unicamente um jogador será sancionado em posição de fora de jogo no momento que a bola toca ou é jogada por um companheiro de equipe se chega a participar no jogo de forma ativa de uma das seguintes maneiras:

  1. interferindo no jogo, ao jogar ou tocar numa bola passada ou tocada por um companheiro;
  2. interferindo no jogo de um adversário de uma das seguintes formas:

 

A) impedindo que jogue ou possa manejar a bola, ao obstruir claramente o campo visual do adversário;

B) disputando a bola;

C) tentando jogar claramente uma bola perto mediante uma ação que tenha impacto em um adversário;

D) realizar uma ação que afete claramente a possibilidade de um adversário de manejar a bola;

ou:

  1. Tirando vantagem de dita posição ao manejar a bola ou interferir no jogo de um adversário quando a bola: tenha sido desviada ou tenha rebotado em uma trave, em um membro da equipe arbitral ou em um adversário;
  2.  
  3. Decisões arbitrais
  4.  
  5. O árbitro tomará suas decisões segundo seu critério de acordo com as Regras de Jogo e o espírito do futebol. As decisões do árbitro serão baseadas na opinião deste último, quem terá o poder discricionário para tomar as decisões adequadas dentro do marco das Regras de Jogo. (Pág. 71 Regras de Jogo)

1 . Princípios

A atuação dos VAR em jogos de futebol está baseada em uma série de princípios que deverão ser aplicados em sua totalidade em todos os jogos onde intervenham:

1. O árbitro assistente de vídeo (VAR) é um membro da equipe arbitral com acesso independente às imagens da retransmissão do jogo; o VAR só pode ajudar o árbitro no caso de que seja produzido um «erro claro, óbvio e manifesto» ou um «incidente grave inadvertido» em relação ao:

a. gol/não gol;

b. pênalti/não pênalti;

c. cartão vermelho direto (não assim o segundo cartão amarelo/admoestação);

d. confusão de identidade (quando o árbitro admoesta ou expulsa o jogador errado da equipe infratora).

2. O árbitro sempre deverá tomar uma decisão, em outras palavras, o árbitro não poderá omitir uma decisão e, posteriormente, recorrer ao VAR para tomá-la; poderá ser revisada a decisão de permitir que prossiga o jogo após uma suposta infração.

3. Não será modificada a decisão inicial tomada pelo árbitro a não ser que a revisão da jogada demonstre claramente que a decisão constituiu um erro claro, óbvio e manifesto.

4. Somente o árbitro poderá iniciar uma revisão; o VAR (e o resto dos membros da equipe arbitral) unicamente pode recomendar ao árbitro que esta seja realizada.

5. A decisão final será sempre do árbitro, já seja a partir da informação do VAR ou depois de ter realizado uma revisão no terreno de jogo.

6. Não há limite de tempo para o processo de revisão, já que a precisão é mais importante que a rapidez.

A continuação, as categorias de decisões ou incidentes que podem ser revisados em caso de que seja produzido um possível «erro claro, óbvio e manifesto» ou «um incidente grave inadvertido»:

A) Gol/não gol

B) Infração cometida pela equipe atacante na jogada do gol ou ao marcar o gol (mão, falta, fora de jogo, etc.).

C) Bola não em jogo antes do gol.

D) Decisões sobre a concessão de um gol (gol/não gol).

E) Infração cometida pelo goleiro ou o lançador durante a execução de um pênalti ou adiantamento de um atacante ou defesa que participa diretamente no jogo se o pênalti rebota na trave ou no goleiro.

--

VÍDEO 6

EQUADOR x URUGUAI

13 DE OUTUBRO DE 2020

ESTÁDIO: RODRIGO PAZ DELGADO

QUITO, EQUADOR

MINUTO: 80'

ITEM:    Sanção
Será concedido um pênalti sempre que um jogador cometa uma infração sancionável com livre direto dentro da área de pênalti ou fora do terreno de jogo como parte do jogo, segundo o estipulado nas Regras 12 e 13. Poderá marcar gol diretamente com chute de pênalti.

 

Decisões arbitrais

O árbitro tomará suas decisões segundo seu critério de acordo com as Regras de Jogo e o espírito do futebol. As decisões do árbitro serão baseadas na opinião deste último, quem terá o poder discricionário para tomar as decisões adequadas dentro do marco das Regras de Jogo. (Pág. 71 Regras de Jogo)

 

VAR

1 . Princípios

A atuação dos VAR em jogos de futebol está baseada em uma série de princípios que deverão ser aplicados em sua totalidade em todos os jogos onde intervenham:

1. O árbitro assistente de vídeo (VAR) é um membro da equipe arbitral com acesso independente às imagens da retransmissão do jogo; o VAR só pode ajudar o árbitro no caso de que seja produzido um «erro claro, óbvio e manifesto» ou um «incidente grave inadvertido» em relação ao:

a. gol/não gol;

b. pênalti/não pênalti;

c. cartão vermelho direto (não assim o segundo cartão amarelo/admoestação);

d. confusão de identidade (quando o árbitro admoesta ou expulsa o jogador errado da equipe infratora).

2. O árbitro sempre deverá tomar uma decisão, em outras palavras, o árbitro não poderá omitir uma decisão e, posteriormente, recorrer ao VAR para tomá-la; poderá ser revisada a decisão de permitir que prossiga o jogo após uma suposta infração.

3. Não será modificada a decisão inicial tomada pelo árbitro a não ser que a revisão da jogada demonstre claramente que a decisão constituiu um erro claro, óbvio e manifesto.

4. Somente o árbitro poderá iniciar uma revisão; o VAR (e o resto dos membros da equipe arbitral) unicamente pode recomendar ao árbitro que esta seja realizada.

5. A decisão final será sempre do árbitro, já seja a partir da informação do VAR ou depois de ter realizado uma revisão no terreno de jogo.

6. Não há limite de tempo para o processo de revisão, já que a precisão é mais importante que a rapidez.

A continuação, as categorias de decisões ou incidentes que podem ser revisados em caso de que seja produzido um possível «erro claro, óbvio e manifesto» ou «um incidente grave inadvertido»:

pênalti / não pênalti

1) Infração cometida pela equipe atacante na jogada do incidente sancionável com pênalti (mãoo, falta, fora de jogo, etc.).

2) Bola não em jogo antes do incidente.

3) Localização da infração (dentro ou fora da área de pênalti).

4) Concessão errônea de um pênalti.

5) Infração sancionável com pênalti não sancionado.

  • O árbitro sempre deverá tomar uma decisão, em outras palavras, o árbitro não poderá omitir uma decisão e, posteriormente, recorrer ao VAR para tomá-la; poderá ser revisada a decisão de permitir que prossiga o jogo após uma suposta infração.
  • Não será modificada a decisão inicial tomada pelo árbitro a não ser que a revisão da jogada demonstre claramente que a decisão constituiu um erro claro, óbvio e manifesto.
  • Somente o árbitro poderá iniciar uma revisão; o VAR (e o resto dos membros da equipe arbitral) unicamente pode recomendar ao árbitro que esta seja realizada.
  • A decisão final será sempre do árbitro, já seja a partir da informação do VAR ou depois de ter realizado uma revisão no terreno de jogo.
  • Não há limite de tempo para o processo de revisão, já que a precisão é mais importante que a rapidez.

 

---

VÍDEO 7

EQUADOR x URUGUAI

13 DE OUTUBRO DE 2020

ESTÁDIO: RODRIGO PAZ DELGADO

MINUTO: 47'

Tocar a bola com a mão

Cometerá infração o jogador que:

 

  1. Toque na bola de forma voluntária com a mão ou o braço, incluído o movimento em direção à bola com estas partes do corpo;
  2. Marque gol diretamente com a mão ou o braço —inclusive se a ação é produzida de forma acidental—, incluído o goleiro.
  3. Imediatamente depois que a bola toque nele ou num companheiro de equipe na mão ou braço, inclusive acidentalmente: marque gol no arco adversário;
  4. Gere uma ocasião de gol;
  5. Toque na bola com a mão ou o braço quando: a mão ou o braço esteja posicionado de forma antinatural e consigam que o corpo ocupe mais espaço;
  6. A mão ou o braço estejam situados por cima da altura do ombro ou mais além deste, a não ser que a bola seja jogada de forma voluntária com outra parte do corpo, e logo toque na mão ou no braço.

Estas infrações serão consideradas inclusive caso a bola toque na mão ou no braço do jogador após ter rebotado na cabeça, corpo ou o pé de dito jogador ou de outro que esteja situado perto do primeiro.

Decisões arbitrais

O árbitro tomará suas decisões segundo seu critério de acordo com as Regras de Jogo e ao espírito do futebol. As decisões do árbitro serão baseadas na opinião deste último, quem terá o poder discricionário para tomar as decisões adequadas dentro do marco das Regras de Jogo. (Pág. 71 Regras de Jogo)

VAR

1. Princípios

A atuação dos VAR em jogos de futebol está baseada em uma série de princípios que deverão ser aplicados em sua totalidade em todos os jogos onde intervenham:

1. O árbitro assistente de vídeo (VAR) é um membro da equipe arbitral com acesso independente às imagens da retransmissão do jogo; o VAR só pode ajudar o árbitro no caso de que seja produzido um «erro claro, óbvio e manifesto» ou um «incidente grave inadvertido» em relação ao:

a. gol/não gol;

b. pênalti/não pênalti;

c. cartão vermelho direto (não assim o segundo cartão amarelo/admoestação);

d. confusão de identidade (quando o árbitro admoesta ou expulsa o jogador errado da equipe infratora).

2. O árbitro sempre deverá tomar uma decisão, em outras palavras, o árbitro não poderá omitir uma decisão e, posteriormente, recorrer ao VAR para tomá-la; poderá ser revisada a decisão de permitir que prossiga o jogo após uma suposta infração.

3. Não será modificada a decisão inicial tomada pelo árbitro a não ser que a revisão da jogada demonstre claramente que a decisão constituiu um erro claro, óbvio e manifesto.

4. Somente o árbitro poderá iniciar uma revisão; o VAR (e o resto dos membros da equipe arbitral) unicamente pode recomendar ao árbitro que esta seja realizada.

5. A decisão final será sempre do árbitro, já seja a partir da informação do VAR ou depois de ter realizado uma revisão no terreno de jogo.

6. Não há limite de tempo para o processo de revisão, já que a precisão é mais importante que a rapidez.

A continuação, as categorias de decisões ou incidentes que podem ser revisados em caso de que seja produzido um possível «erro claro, óbvio e manifesto» ou «um incidente grave inadvertido»:

A) Gol/não gol

B) Infração cometida pela equipe atacante na jogada do gol ou ao marcar o gol (mão, falta, fora de jogo, etc.).

C) Bola não em jogo antes do gol.

D) Decisões sobre a concessão de um gol (gol/não gol).

E) Infração cometida pelo goleiro ou o lançador durante a execução de um pênalti ou adiantamento de um atacante ou defesa que participa diretamente no jogo se o pênalti rebota na trave ou no goleiro.