NOTICIA DESTACADA

Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
50 dias para o Mundial: Brasil em busca do hexa
50 dias para o Mundial: Brasil em busca do hexa

Alejandro Domínguez: “Estamos determinados a perseguir o que ataca e destrói a essência do futebol e seus valores”

  • O presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), Alejandro Domínguez, enfatizou a luta implacável da instituição contra o racismo e os anti-valores dentro do futebol sul-americano.
  • “O racismo e a violência estão entre as mais graves ameaças que o futebol enfrenta”, declarou o presidente Domínguez durante o Seminário de Combate ao Racismo e Violência no Futebol, organizado pela CBF.

Nesta quarta-feira, 24 de agosto, no Rio de Janeiro – Brasil, foi realizado o Seminário de Combate ao Racismo e à Violência no Futebol, evento organizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e apoiado pela CONMEBOL, para conscientizar e erradicar esse flagelo que afeta o futebol mundial.

“O racismo e a violência prejudicam tudo o que nosso esporte representa em favor do auto superação, do respeito ao adversário e da competição saudável. No entanto, todos nós aqui compartilhamos uma convicção: o futebol é muito mais forte do que esses anti-valores.” ressaltou o presidente Dominguez durante sua fala.

Ele também sustentou que, para enfrentar a discriminação, é necessário identificá-la com precisão, indicando que este não é um problema que afeta apenas o futebol que, embora seja notório nas arquibancadas de um estádio, também está presente na rua, no trabalho ou no campo social.

“É por isso que deve ser dito muito claramente: o racismo e a violência vão muito além do futebol e a CONMEBOL, como a principal instituição do futebol continental, assume plenamente sua parcela de responsabilidade. Estamos determinados a perseguir incansavelmente essas repudiáveis práticas.”, enfatizou o presidente.

Nesse sentido, a CONMEBOL promove campanhas de conscientização sobre esse flagelo. Disseminando tolerância e respeito nas categorias de treinamento e, sobretudo, aplicando sanções rigorosas a atos de racismo e violência em seus torneios.

“Até 2018, a multa estabelecida no Código Disciplinar da CONMEBOL para atos de racismo era de US$ 3.000. Em abril deste ano, decidimos elevar esse valor para US$ 100.000. A multa subiu 30 vezes mais em apenas quatro anos!”.

O Seminário também contou com a presença de Alejandro Moreno, Coordenador de Segurança da Competição da CONMEBOL que falou sobre o esquema de trabalho e operacional implantados durante os torneios organizados pela Confederação.

CONMEBOL.com

Ultimas Noticias