NOTICIA DESTACADA

Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
50 dias para o Mundial: Brasil em busca do hexa
50 dias para o Mundial: Brasil em busca do hexa

América do Sul, a multimilionária canteira do futebol chinês

A magia brasileira, a qualidade argentina e o talento colombiano: China firma cheques em branco a alguns dos futebolistas mais determinantes da América do Sul, convertido em prolífica canteira do gigante asiático.

China busca talento contrastado e jogadores com os seus melhores anos pela frente. E não hesitam em investir no que for preciso. Os exemplos mais recentes: o brasileiro Alex Teixeira, 26, deixou o ucraniano Shakhtar Donetsk para ir rumo ao Jiangsu Suning e atacante colombiano Jackson Martinez, 29, deixou o Atlético de Madrid para vestir a camisa do Guangzhou Evergrande.

O internacional ‘verdeamarelo’ custou  cerca de US $ 56 milhões, o cafeteiro em torno de 46.

"Eles levam jogadores sul-americanos, porque temos habilidades, técnica e poder de resolução diferentes dos jogadores asiáticos", disse à AFP o colombiano Mauricio Molina, ex-Santos e que jogou seis anos na Coreia.

Hoje 26 brasileiros integram a maior comunidade estrangeira na Super Liga chinesa, sendo o próprio Teixeira, Ricardo Goulart, Ramires e Diego Tardelli seus maiores expoentes, enquanto outros 12 vão competir na segunda divisão, de acordo com o site especializado Transfermarkt. Além disso, 134 jogaram em 2003 a 2010, de acordo com a mídia brasileira.

Walter Montillo (Shandong Luneng), Emanuel Gigliotti (Chongqing Lifan) e Dario Conca (Shanghai SIPG) compõem a representação albiceleste; Marcelo Moreno Martins a boliviana e Mário Rondon (Shijiazhuang Ever Bright) a venezuelana enquanto que a Colômbia contará com nove jogadores, quatro em primeira (Martinez Jackson, Giovanni Moreno e Fredy Guarin Fredy Montero) e cinco na segunda (Carmelo Valencia, Ricardo Steer, Jair Reinoso, Luis Carlos Cabezas e Jhon Eduar Valoy).

O Conca argentino abriu o caminho

Hoje está na moda, mas há alguns anos, uma transferência deste calibre era exceção.

Em 2011, o argentino Dario Conca deixou o Fluminense para se tornar um dos jogadores mais bem pagos do mundo no Guangzhou Evergrande, considerado então um clube chinês modesto que acabava de ascender.

Sob o comando do campeão do mundo, Marcello Lippi, o Guangzhou e Conca ganharam a Liga de Campeões Asiática em 2013, 23 anos após o último sucesso chinês em competição (em 1990, Liaoning Whowin).
 

De 2010, ano de seu ascenso, a 2015, Guangzhou ganhou cinco títulos da liga e dois das últimas três Champions asiáticas, com Conca e os brasileiros Muriqui Elkeson ou Cleo como craques em diferentes momentos.

O modelo tem funcionado. E agora as outras equipes estão copiando.
 

As normas do Campeonato chinês especificam que cada tabela pode ter um máximo de quatro estrangeiros não-asiáticos em seu plantel e só três podem coincidir sobre o verde. Os escolhidos: brasileiros, argentinos, colombianos …
 

Sem ir mais longe, o Guangzhou optou por Jackson e os brasileiros Paulinho, Ricardo Goulart e Alan.

O troféu, em parte, da América do Sul
 

Os clubes da Superliga Chinesa até agora gastou cerca de 290 milhões de dólares, quando restam duas semanas para fechar o mercado chinês.
 

Apenas Teixeira e Jackson custaram mais do que o português Cristiano Ronaldo e quase o mesmo que o galês Gareth Bale, o jogador mais caro da história.
 

A China disputou apenas uma Copa do Mundo, a da Coreia e Japão 2002. Jogou três partidas e perdeu três. Recebeu nove gols e não marcou nenhum. Uma década após o campeonato sua liga está na boca de todos.
 

Xi Jinping já avisou em 2011, quando era vice-presidente: a China quer se classificar, organizar e, em seguida, ganhar uma Copa do Mundo … Se algum dia conseguir, deverá grande parte do troféu para a América do Sul.

Últimas Noticias