NOTICIA DESTACADA

2 times brasileiros e 1 equatoriano conquistam leve vantagem no torneio
2 times brasileiros e 1 equatoriano conquistam leve vantagem no torneio
CONMEBOL deixa de exigir teste negativo de COVID para suas competições
CONMEBOL deixa de exigir teste negativo de COVID para suas competições
Detentores de direitos televisivos confirmados para a Sub-20 Intercontinental
Detentores de direitos televisivos confirmados para a Sub-20 Intercontinental

Camila, 1ª mulher DT campeã da CONMEBOL Libertadores Feminina

camila_-_1

Camila, diretora técnica da Ferroviária, levou sua equipe ao título da CONMEBOL Libertadores Feminina 2020 após vencer o América de Cali por 2-1 na final do jogo único, disputado neste domingo, 21 de março, no estádio do Vélez Sarsfield de Buenos Aires.

O time de Araraquara, cidade do interior de São Paulo, foi campeão em 2015 e vice-campeão em 2019, tem como líder a única mulher que chegou a conquistar o título de campeã, um acontecimento histórico da atual edição.

Lindsay Camila chegou ao time em janeiro de 2021, nunca tinha disputado a CONMEBOL Libertadores Feminina e, em sua primeira oportunidade, já comemora o título.

“Essa é a minha primeira Libertadores. Não tive a chance vir como atleta. Estou tendo essa experiencia de vir como treinadora e para nós, é o ápice”, disse Camila.

A DT campeã diz que observa com as competições uma maior quantidade de craques para as atletas observarem. “Antes elas pegavam referências nos homens. Hoje, essas meninas estão tendo oportunidade de pegar referências em mulheres. Querem driblar como uma Aline Milene. Roubar a bola como uma Nicole. Defender como uma Luciane. Elas têm essas referências hoje”.

Mais que uma treinadora, Camila é amiga das jogadoras, o que marca a diferença dentro e fora de campo. Para a zagueira Ana Alice, é um aprendizado diário, mas a intensidade da técnica move a equipe. 

“Ela é uma técnica que gosta de jogos bastante intensos e isso ajuda bastante a gente. Estamos nos entendendo. Ela é nossa amiga, além de técnica. Nós a ouvimos e ela ouve a gente, isso é importante, o diálogo diário entre atletas e treinador. Isso ajuda muito dentro e fora de campo. Ela vibra com a gente, não para o tempo todo. Nos dá força. A Camila está sempre ali nos incentivando. É o estilo dela e não vai mudar. Isso é bastante legal”, aponta a jogadora.

Como muitas jogadoras e treinadoras do futebol feminino, Camila precisou lutar demais para chegar aonde chegou. Para ela, a glória é do time, mas a comandante do Ferrinha sabe o que passou e quanto trabalhou até esta final.

“A glória também é minha porque estudei, me preparei e passei muitas noites chorando por aquilo que eu acreditava que não ia acontecer. A glória é minha porque estou preparada e me inspiro em mulheres e pessoas que não deixaram nenhum machismo ou preconceito como dificuldade para que elas não chegassem ao objetivo que é disputar a final do campeonato”, concluiu.

Parabéns Camila, a Glória é Sua!

 

 

CONMEBOL.com

Últimas Noticias