NOTICIA DESTACADA

Cascavel conquista seu primeiro título na CONMEBOL Libertadores Futsal 2022
Cascavel conquista seu primeiro título na CONMEBOL Libertadores Futsal 2022
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história

Copa Bridgestone Libertadores: três partidas nesta terça (16) dão início à segunda fase

Três jogos serão disputados no início da segunda fase da Bridgestone Libertadores. Maldonado, Bogotá e San Cristóbal são as sedes.

Três jogos serão disputados no início da segunda fase da Bridgestone Libertadores.

Maldonado, Bogotá e San Cristóbal são as sedes.

Deportivo Táchira versus Olímpia na largada do Grupo 7

por Ernesto TOVAR/AFP

Deportivo Táchira e Olímpia do Paraguai iniciam seu caminho no Grupo 7 da Copa Libertadores 2016, nesta terça na casa do clube venezuelano, que terá enfrente a um rival em crise trás a renúncia do técnico Francisco 'Chiqui' Arce.

O clube tachirense -que vem de perder 1-0 com Trujillanos pela Liga local- e o 'Rey de Copas' paraguaio buscarão o passe às oitavas de final junto com os Pumas de la UNAM do México e Emelec do Ecuador.

Histórico do futebol sul-americano e campeão da Libertadores em três ocasiões (1979, 1990 e 2002), Olímpia debutará nesta edição do certame em um ambiente de crise, ao conseguir só quatro pontos em cinco jogos do torneio guarani, fato que provocou a renúncia de Francisco 'Chiqui' Arce, com quem o time ganhou o Torneio Clausura 2015, seu quadragésimo título de primeira divisão.

O time paraguaio, que chegou à Venezuela domingo e disputou 38 edições da Libertadores desde 1960, será dirigido ante o Táchira por Mauro Caballero.

As ações, que iniciam às 21H30 locais (02H00 GMT de quarta-feira), serão dirigidas pelo árbitro brasileiro Heber Lopes, assistido nas linhas por seus compatriotas Marcelo Van Gasse e Fabricio VIlarinho.

Possíveis formações

Deportivo Táchira: José Contreras – Pablo Camacho, Carlos Lujano, Williams Martínez, Yuber Mosquera – Carlos Cermeño, Juan Carlos Mora, Jorge Rojas, César González – Edgar Pérez Greco e Ronaldo Chacón. DT: Carlos Maldonado.

Olímpia: Diego Barreto – Carlos Rolón, Saúl Salcedo, José Leguizamón, Gustavo Mencia – Wilson Pittoni, Cristian Riveros, Robert Piris Da Motta – Fredy Bareiro, Nery Cardozo e Ariel Núñez. DT: Mauro Caballero.

Estadísticas:

Deportivo Táchira – Olimpia

Sem antecedentes internacionais oficiais

Deportivo Táchira

Será seu jogo número 40 como local na Copa Libertadores (8 – 15 – 16)

Dos últimos 10 em dita condição, só jogou um: Cerro Porteño 2-1 (López, Rojas – Fabbro) no dia 4 de fevereiro de 2015

Recebeu 8 vezes equipes paraguaias por torneios Conmebol (4 – 2 – 2)

As únicas derrotas foram contra o Cerro Porteño e, pela Libertadores: 3-0 em 2005 e 2-0 em 2011.

Olímpia

Na Copa Libertadores disputou 140 cotejos como visitante (31- 48 – 61)

Leva quatro sem triunfos fora do Paraguai e dos últimos 15 só ganhou dois: Deportivo Lara 5-1 em 13 de março de 2013 e Universidad de Chile 1-0 em 4 de abril de 2013.

Apresentou-se três vezes na Venezuela por competições Conmebol e está invicto.

Trujillanos 2-2 (Libertadores 1995)

Caracas 2-1 (Libertadores 1995)

Deportivo Lara 5-1 (Libertadores 2013)

Árbitro – Heber Lopes

Será sua 13° edição consecutiva de Copa Libertadores

Neste certame esteve presente em 42 encontros desde a sua estreia em 25 de fevereiro de 2004: Fénix 2 – Vélez Sarsfield 1

Pela Conmebol nunca dirigiu o Deportivo Táchira e em três ocasiões arbitrou jogo do Olímpia: Defensor Sporting 2-0 e Santa Fe 2-0 (Libertadores 2013) e Independiente 0-1 (Sudamericana 2015)

River uruguaio busca outra vitória histórica ante o Palmeiras

Depois de uma surpreendente estreia histórica na Copa Libertadores, deixando fora a Universidad de Chile, River Plate do Uruguai joga nesta terça seu primeiro jogo pelo Grupo 2 contra o poderoso Palmeiras do Brasil.

A equipe dirigida por Juan Ramón Carrasco jogará no campus de Maldonado "Domingo Burgueño Miguel" (leste, a 140 quilômetros de Montevidéu), às 20H45 (23H45 GMT), no primeiro jogo da série, também integrada por Nacional do Uruguai e Rosario Central da Argentina.

"A série é dura, mas não creio que seja mais dura do que foi este mata-mata ante U. de Chile", declarou "JR" ao suplemento esportivo do jornal El País.

Por sua parte Palmeiras, equipe do estado de São Pablo, ganhou oito vezes a Série A, três vezes a Copa Brasil e foi campeão da América em 1999, ano em que terminou como vice-campeão mundial. Outrossim foi vice-campeão da Libertadores em 1961, 1968 e 2000.

A partida será arbitrada pelo chileno Julio Bascuñan, que será assistido nas linhas por seus compatriotas Francisco Mondria e Marcelo Barraza.

Possíveis formações:

River Plate: Nicola Pérez – Cristian González, Ronaldo Conceicao, Darío Flores, Agustín Ale – Giovanni González , Angel Rodríguez, Diego Rodríguez – César Taján, Nicolás Schiapaccasse e Michael Santos. DT: Juan Ramón Carrasco.

Palmeiras: Fernando Prass – Lucas, Roger Carvalho, Vitor Hugo, Zé Roberto-Arouca, Jean, Robinho, Dudú – Gabriel Jesus e Lucas Barrios. DT: Marcelo Oliveira.

Estatísticas:

River Plate (Uruguai) – Palmeiras

Sem antecedentes internacionais oficiais

River Plate

O único jogo em casa pela Copa Libertadores foi o único que venceu por 2-0 a Universidad de Chile em fevereiro passado, na ida da primeira fase.

Só uma vez recebeu equipes brasileiras em competições CONMEBOL: Vitória 4-1 (Córdoba 2, Andrezinho, Rodriguez – Wallace) em 22 de setembro de 2009, na Copa Sul-Americana.

Palmeiras

Disputou 73 cotejos como visitante em Copa Libertadores (27 – 13 – 33).

Nessa condição leva 6 sem ganhar. A última vitória foi em 29 de abril de 2009 ante Colo Colo 1-0 com gol de Cleiton Xavier.

Tem recorde positivo atuando no Uruguai em torneios Conmebol (4 – 1 – 3)

Peñarol 0-1 (Libertadores 1961)

Peñarol 2-1 (Libertadores 1968)

Nacional 1-3 (Libertadores 1971)

Peñarol 2-0 (Libertadores 1973)

Nacional 2-1 (Libertadores 1973)

Nacional 5-0 (Mercosur 1998)

Peñarol 0-2 (Libertadores 2000)

Nacional 0-0 (Libertadores 2009)

Árbitro – Julio Bascuñán

Participou em 12 partidas pela Copa Libertadores

Debutou em 13 de fevereiro de 2013: Real Garcilaso 1 – Santa Fe 1

Na passada edição teve ao seu cargo 7 cotejos.

Nunca dirigiu pela Conmebol a Palmeiras e só em uma oportunidade o River Plate: derrota com Emelec 2-1 em 18 de setembro de 2014

 

Um Santa Fé consolidado enfrenta Cerro Porteño em formação

por Carlos RODRIGUEZ/AFP

O Independiente Santa Fé da Colômbia, em um grande momento futebolístico, receberá nesta terça em Bogotá o paraguaio Cerro Porteño .

Santa Fe, recente campeão da Copa Sul-Americana e claro vencedor da primeira fase a Libertadores ante Oriente Petrolero da Bolívia (3-1 e 3-0), receberá o conjunto guarani no estádio El Campín às 21H00 (02H00 GMT de quarta-feira).

Os 'cafeteros' atravessam um bom período há vários meses, em que foram protagonistas do torneio local, ganharam a Sul-Americana ante Huracán da Argentina e eliminaram Oriente mostrando uma grande superioridade.

O técnico do time cardenal, o uruguaio Gerardo Pelusso, não confia e qualificou o 'Ciclón del Barrio Obrero' como uma equipe complicada, na qual conhece muito bem.

– "Europeizar" Cerro –

O técnico venezuelano César Farías chegou este ano ao Cerro e prometeu revolucionar o conjunto.

"Em alguns aspectos estamos europeizando", disse o técnico venezuelano ao explicar sua ideia no comando do Ciclón e mostrou-se otimista com a resposta dos jogadores. "Estão interpretando a ideia, cada vez mais dispostos e enfocados ao que nós propomos", opinou.

O jogo será dirigido pelo árbitro mexicano Roberto García, acompanhado nas linhas por seus compatriotas José Luis Camargo e Alberto Morín.

Possíveis prováveis:

Independiente Santa Fe: Robinson Zapata – Sergio Otálvaro, Yerry Mina, William Tesillo, Leyvin Balanta – Jeison Gordillo, Baldomero Perlaza, Juan Daniel Roa, Luis Manuel Seijas, Jonathan Gómez – Carlos Ibargüen. DT: Gerardo Pelusso.

Cerro Porteño: Antony Silva – Carlos Bonet, Raúl Cáceres, Leonardo Cáceres, Bruno Valdéz – Jonathan Fabro, Marcelo Estigarribia, Juan Rodrigo Rojas, Silvio Torales – Luís Leal e José Ortigoza. DT: César Farías.

Estatísticas:

Santa Fe – Cerro Porteño

Registram dois jogos internacionais oficiais, ambos na fase de grupos da edição 2013 da Copa Libertadores

Cerro Porteño 1 (Fabbro) – Santa Fe 2 (Pérez 2)

Santa Fe 1 (Cuero) – Cerro Porteño 0

Santa Fe

Por Copa Libertadores como local jogou 38 encontros (21 – 11 – 6)

Nessa condição leva quatro vitórias consecutivas (as três últimas sem receber gols) e das 20 mais recentes apenas perdeu uma: Atlético Mineiro 1-0 (18.03.2015)

Está invicto recebendo equipes paraguaias pela Conmebol

Cerro Porteño 1-0 (Libertadores 2013)

Olimpia 1-0 (Libertadores 2013)

Nacional 3-0 (Libertadores 2014)

Sportivo Luqueño 0-0 (Sudamericana 2015)

Cerro Porteño

Será sua partida número 140 como visitante na Copa Libertadores (27 – 39 – 73)

Em dita condição leva 11 sem poder ganhar (7 derrotas e 4 empates). A última vez foi em 20 de abril de 2011 ante o Colo Colo por 3-2 (Jorquera, Paredes – Fabbro 2, Piris).

Colômbia sempre foi um rival complicada para o Cerro Porteño, já que por competições Conmebol só ganhou 3 das 18 vezes que se apresentou. As restantes foram 12 derrotas e 3 empates.

Os triunfos

Millonarios 2-0 (Libertadores 1985)

América de Cali 2-1 (Libertadores 1998)

Independiente Medellín 1-0 (Libertadores 2003)

Árbitro – Roberto García

Tem 6 partidas pela Copa Libertadores

Debutou em 17 de março de 2011: León de Huánuco 1 – Grêmio 1

Nunca dirigiu pela Conmebol o Santa Fe nem o Cerro Porteño.

 

Estatísticas: Eduardo Bolaños/conmebol.com

Design: DD/conmebol.com

Últimas Noticias