NOTICIA DESTACADA

Cascavel conquista seu primeiro título na CONMEBOL Libertadores Futsal 2022
Cascavel conquista seu primeiro título na CONMEBOL Libertadores Futsal 2022
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
Independiente del Valle sagra-se bicampeão da CONMEBOL Sudamericana
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história
A 50 dias do Mundial: Equador quer fazer história

Eliminatórias Rússia 2018: Caicedo elogia o bom momento do Equador

Tem causado sensação no início das eliminatórias sul-americanas para a Copa Mundial FIFA Rússia 2018™. Tanto ele quanto a sua seleção: Felipe Caicedo e Equador.

Depois de acumular experiência em países tão diversos como Rússia ou Emirados Árabes, o poderoso atacante da Tri volta à Liga, onde soma sua segunda temporada com o Espanyol de Barcelona e encontrou a competitividade que traz o melhor de seu talento. Caicedo se reuniu com a FIFA.com para discutir a receita do sucesso Tricolororantes das novas jornadas de eliminatórias. "Nem mesmo nós esperávamos", assegura, com sinceridade, o camisa 8 do Equador.

Felipe, o Equador está passando por um momento de forma impressionante. Como se pode explicar?
A verdade é que nós não esperávamos que fosse tão perfeito. São eliminatórias muito difíceis, muito competitivas, por isso, ganhar quatro jogos consecutivos foi definitivamente fora dos nossos planos. Tradicionalmente, o Equador é uma equipe que é forte em casa, por isso contávamos com isso, mas tem sido muito melhor. Estamos muito felizes e esperamos continuar assim.

O que mudou de outros processos para conseguir essas vitórias fora de casa?
Isso vem da mentalidade. O fessor Gustavo Quinteros chegou à seleção com novas ideias, conceitos claros e uma atitude ofensiva. O que estamos a tentar se adapta às condições dos jogadores que têm Equador e nos faz sentir mais à vontade. Sua proposta de ir pelo jogo independentemente se estamos em casa ou fora. Embora seja verdade que o grupo também conta. Viemos jogando juntos há muito tempo, já temos uma Copa do Mundo e a eliminatória para a África do Sul 2010. Nos conhecemos como se fôssemos uma família e isso ajuda.

Qual foi o momento em que você sentiu que o Equador estaba para algo importante nas eliminatórias?
A vitória contra a Argentina, sem dúvida. Foi algo incrível, algo histórico, nunca tínhamos vencido como visitante. Faltam-me palavras para descrever o que vivenciamos ali, antes, durante e depois do jogo. É o melhor jogo que disputei com a seleção.

É possível manter este ritmo vencedor? Vocês sonham com uma eliminatoria sem derrotas?
Vem aí dois jogos difíceis: contra o Paraguai em casa e contra a Colômbia em Barranquilla. Temos de ser realistas, a nossa ideia continua sendo fazer-nos fortes como locais. Chegamos a dois mundiais ganhando tudo em casa e raspando alguns pontos como visitante. O que conseguimos até agora nos ajuda, mas a chave serão os jogos em casa.

Em um nível pessoal, quatro gols em quatro jogos, líder artilheiro. O que causou esse excelente momento de forma com o Equador?
Tem sido uma combinação de fatores. Primeiro, o grupo contribuiu. Estamos mais maduros e experientes, nos conhecemos muito bem e isso ajuda meus companheiros antecipar os movimentos que vou fazer. E eu trato de contribuir, aproveitando as oportunidades. Sinto que este é o momento do Equador e isso me inclui. Fiz gol em todos os jogos e espero continuar mantendo a calma, mas sem perder a concentração em campo.

Deve ser importante para retomar a confiança, depois de um Brasil 2014, onde não conseguiu marcar. Ficou uma conta pendente.
Sim, claro. Acho que não só eu, para mais de um aconteceu o mesmo. Viemos com grandes esperanças e não conseguimos corresponder com resultados. No meu caso, eu não vinha de uma liga muito competitiva (nota do editor: joga no Al-Jazira dos Emirados Árabes Unidos) e que não pudemos corresponder com resultados. Mas não quero colocar isso como pretexto! De jeito nenhum. Tenho ainda esse espinho cravado. No ter classificado às oitavas foi muito duro, porque é algo que o Equador já havia conseguido. Terei que tirar o espinho na Rússia 2018.

Você jogou na Rússia com o Lokomotiv de Moscou, sonha em regressar a esse país com seus companheiros de equipe?
Adoraria, a Rússia é um país futebolístico, onde o futebol é uma paixão, os estádios estão sempre cheios. Será uma Copa do Mundo muito linda e, se tivermos a oportunidade de classificar, para mim seria muito emocionante. Foi o lugar que me abriu as portas da Europa, tenho bons amigos. Espero que possamos conseguir.

Últimas Noticias