NOTÍCIA DESTACADA

APF e FVF terminam nova etapa do projeto Futebol para Mulheres promovido pela UEFA e CONMEBOL
APF e FVF terminam nova etapa do projeto Futebol para Mulheres promovido pela UEFA e CONMEBOL
Enfrentamentos eletrizantes nas Oitavas da CONMEBOL Libertadores 2022
Enfrentamentos eletrizantes nas Oitavas da CONMEBOL Libertadores 2022
Disputas acirradas nas Oitavas da CONMEBOL Sudamericana
Disputas acirradas nas Oitavas da CONMEBOL Sudamericana

Festa de craques na Embaixada do Torcedor da CONMEBOL

ban2

Um monumento de 12 gols foi erguido nesta sexta-feira pela manhã nas areias da Costa Verde, como o litoral limenho é conhecido. o ‘Jogo das Estrelas’ do River Plate e Flamengo disputado na Embaixada do Torcedor da CONMEBOL, ficou empatado em seis gols por time, em um jogo de muito toque, paciência e atitude, que não deixou nenhuma indecisão. 

Mas sobre tudo, houve festa das torcidas do Flamengo e do River, que vibraram e tiveram sua prévia da grande final deste sábado.

O evento contou com a presença das máximas autoridades da CONMEBOL, liderado pelo seu presidente, Alejandro Domínguez e os presidentes de ambos os clubes finalistas, o do Flamengo, Rodolfo Landim e o do River, Rodolfo D’Onofrio. 

– Talento puro – 

No campo, ambos os rivais duelaram nos primeiros minutos, de extremo a extremo, de gol a gol, desde Nery Pumpido até Julio César, houve paciência nos primeiros toques, reflexão e cautela. Por isso, uma faísca nasceu de uma inofensiva lateral de Baiano, que foi aproveitada por Gavilán para quebrar as redes do três vezes mundialista e campeão em 86, Pumpido.

“Para mim está 50% e 50%, ambos os clubes têm equipes extraordinárias”, disse o goleiro argentino à imprensa depois do jogo. A torcida do River não parou de torcer e a equipe milionária coroou os cânticos com dois gols de Fernando Cavenaghi e o ‘cabezón’ Ruggeri. O primeiro limpou as teias do gol brasileiro e o segundo enganou o goleiro e a bola entrou em diagonal pedindo licença.

As estrelas do River tinham virado momentaneamente, porém Flamengo mostrou o brilho da hierarquia e respondeu com três chicotadas seguidas para pôr o 4 a 2. Gavilán outra vez, Baiano e Luisão adiantaram a equipe que mora no Rio de Janeiro.

O intervalo estava perto e parecia que os milionários abaixavam os braços. A torcida, mais uma vez, empurrou a equipe e a chamada foi atendida por ‘Juanpi’ Sorín, que ganhou a linha pela direita, levantou a cabeça, passou para Yepes que deixou correr para ‘Juanpi’, desta vez foi Ángel, quem declarou com menos ângulo que Van Basten na Eurocopa de 1988 ante a URSS, o 4 a 3. No final do primeiro tempo, Yepes queria seu gol e conseguiu, fechando o placar em 4 a 4.

– O intervalo –

Durante o intervalo, o banco argentino estava mais quente que o dos brasileiros, que faziam piadas entre eles. Ruggeri e Pumpido conversavam com o árbitro, que foi esquivo em algumas jogadas.

Os 5.000 argentinos, brasileiros e peruanos congregados no tapete verde da Embaixada do Torcedor da CONMEBOL, na Costa Verde, esperavam outra catarata de gols para o segundo tempo. Os jogadores responderam com mais perna forte, ajustes e menos gols; as equipes mostraram a história e o caráter, fecharam filas atrás com a liderança de Ruggeri e Baiano, um monstro que comia todo o campo. Já dizia Bilardo que o jogo perfeito era o zero a zero, porque nenhuma defesa tinha falhado.

E falhou, com um gol contra do River, gol contra de Yepes aos 18 minutos da partida. Juan Pablo Ángel teve que empatar aos 21 minutos. Era cinco a cinco e as torcidas não podiam acreditar, o sol acompanhava desde seu palco. Nos minutos finais, um centro de Luisão que foi pego por João para adiantar o Flamengo. A sorte estava lançada, mas não para Sorín, o ‘Juanpi’, que nunca deixou de lutar, sempre junto à linha, esta vez eludiu um brasileiro e quebrou o arco de Julio César.

Foi justo o empate entre milionários e flamenguistas. Não houve reticências, mas sim o ponto e nova linha de uma história que será definida neste sábado na final do Monumental.

Gols:

FLAMENGO

Gavilán, 4’, 8’; Luisão 9’; Baiano, 10’. Yepes (AG), 18’; João, 22’.

RIVER

Cavenaghi, 6’; Ruggeri, 7’; Ángel, 11’, 21’; Yepes, 13’; Sorín, 30’.

CONMEBOL.com

Ultimas Noticias