NOTÍCIAS DESTACADA

CONMEBOL, em conjunto com as Associações Membro, concede prêmios para aumentar a competitividade nos torneios locais
CONMEBOL, em conjunto com as Associações Membro, concede prêmios para aumentar a competitividade nos torneios locais
Começou a venda geral de ingressos para a CONMEBOL Copa América Feminina Colômbia 2022
Começou a venda geral de ingressos para a CONMEBOL Copa América Feminina Colômbia 2022
Designação de árbitros para os encontros de ida – Oitavas de Final da CONMEBOL Sudamericana
Designação de árbitros para os encontros de ida – Oitavas de Final da CONMEBOL Sudamericana

A “geração dourada” do Chile quer ampliar sua lenda

Chile, arquétipo de uma seleção transformada em equipe, desafia a surpreendente nova geração alemã, domingo em São Petersburgo na final da Copa das Confederações (18h00 GMT), um encontro em que a ‘Geração Dourada’ da Roja buscará ampliar sua lenda.

 

Bicampeão da América (2015 e 2016) Chile representa como ninguém a experiência. Se não há nenhum sobressalto, até nove jogadores do onze que entrará no Estádio de São Petersburgo já estiveram nas formações que derrotaram Argentina em finais continentais.

Na frente está uma equipe alemã que se formou no momento em que Joachim Löw ofereceu a surpreendente lista de convocados, sem nenhum dos homens importantes que habitualmente defendem a Mannschaft.

Alemanha é a equipe mais jovem do torneio com uma média de 24 anos e 4 meses, enquanto que Chile é o mais veterano con 29 anos e um mês.

No dia 22 de junho em Kazan ambas as equipes se enfrentaram na primeira rodada e empataram por 1-1. Alemanha sofreu no começo ante a pressão chilena e encaixou um gol. Porém superou o temporal, empatou e foi melhor no segundo tempo.

Chile, a obra começada por Marcelo Bielsa em 2007 e continuaram os também argentinos Claudio Borghi, Jorge Sampaoli e Pizzi, não tem segredos.

Dosificar esforços

Trás a experiência ante Alemanha, Chile, camaleônico, corrigiu o chute ante Portugal e soube dosificar os esforços em um jogo que foi até os 120 minutos e definido nos pênaltis.

Ai Bravo brilhou. Firmou uma das melhores atuações ao segurar os três primeiros pênaltis. Em 2015 e 2016 parou um em cada uma das fases contra Argentina.

Se chegão nos pênaltis o capitão chileno colocaria Alemania a prova, que não perde neste exercicio desde 1976, nas cinco ocasiões na qual foi jogado na sua continuidade nas fases finais.

Formações prováveis:

Chile: Claudio Bravo – Mauricio Isla, Gary Medel, Gonzalo Jara, Jean Beausejour – Pablo Hernández, Marcelo Díaz, Charles Aránguiz, Arturo Vidal – Eduardo Vargas, Alexis Sánchez. ​DT: Juan Antonio Pizzi

Alemanha: Marc-André Ter Stegen – Matthias Ginter, Antonio Rudiger, Niklas Suele – Joshua Kimmich, Sebastian Rudy, Leon Goretzka, Jonas Hector – Lars Stindl, Julian Draxler – Timo Werner. DT: Joachim Löw

Árbitro: Milorad Mazic (Serbia)

 

AFP

Ultimas Noticias