NOTÍCIAS DESTACADA

Brasil e Argentina campeões mundiais no mesmo dia
Brasil e Argentina campeões mundiais no mesmo dia
VAR CONMEBOL: análise de situação de jogo da Sudamericana – Colo Colo x Internacional
VAR CONMEBOL: análise de situação de jogo da Sudamericana – Colo Colo x Internacional
O campo de futebol da CONMEBOL: um espaço para clubes e seleções
O campo de futebol da CONMEBOL: um espaço para clubes e seleções

Iván Zamorano: “Ficaria encantado em jogar nesta equipe”

Iván Zamorano, de 50 anos, é história da seleção chilena, em que disputou 69 partidas e marcou 34 gols. “Ficaria encantado em jogar nesta equipe”, diz em entrevista à AFP a poucas horas da Roja jogar a final da Confederações contra a Alemanha.

O antigo atacante, que jogou entre outros no Real Madrid (1992-1996) e no Inter de Milão (1996-2000), mora em Miami e trabalha como comentarista de televisão. Está na Rússia seguindo o Chile na busca do troféu.

Pergunta: Como vê a equipe a horas de jogar pelo título contra Alemanha?

Respuota: “Creio que o Chile já está acostumando a jogar torneios importantes. Tem maturidade e experiência para poder afrontar a final. Muita personalidade. O país está se acostumando a ver esses rapazes a chegar a finais e esta geração dourada vai continuar dando muitas alegrias ainda”.

P: Qual é a chave para chegar a três finais consecutivas (antes dos dois títulos da Copa América de 2015 e 2016)?

R: “Foi se mantendo uma filosofia de jogo desde a vinda de Marcelo Bielsa, com (Jorge) Sampaoli teve continuidade e, hoje em dia (Juan Antonio) Pizzi. Mantém a identidade e estilo futebolístico e ao mesmo tempo tem seguido uma quantidad de jogadores importantes como para poder empapar-se do que cada treinador quer”.

P: Normalmente domingo terá nove titulares que já saíram de cara nas duas finais da Copa América.

R: “Desde o Mundial 2010 que jogou com Bielsa são muito poucos as mudanças no plantel. É muito importante ante torneios destas circunstâncias ter um plantel que se conhece perfeitamente. Sabe o que tem que fazer em campo, a continuidade dos processos. Esta geração nos está entregando muito”.

P: O jogo do Chile se assemelha mais a de uma equipe bem engrenada que de uma seleção nacional…

R: “Os rapazes são como uma família, cada uma tem super claro seu papel no campo. Aqui há três ou quatro foras de série e os demais são obreiros, trabalhadores de acordo com um sistema de jogo. Hoje o funcionamento da equipe é extraordinário e o nível físico também está muito bom”.

P: Se algo falha, Claudio Bravo está no arco.

R: “É um cara incrível, com o que vivenciou antes (temporada irregular no City), foi pra Roja e o que faz é extraordinário. Tem experiência, transmite muita segurança, tranquilidade e maturidade… E depois os pênaltis, ganhamos duas Copas América graças a ele e aos lançadores que marcaram”.

P: Acha que a influência de Alexis Sánchez no ataque se incrementou na Confederações?

R: “É outro dos fora de série da equipe. Um jogador distinto, diferente, que ganha partidas. Está passando um momento incrível. Creio que grande parte do funcionamento da equipe se deve a jogadores como ele”.

P: O que teria contribuído Zamorano na ‘Geração Dourada’?

R: “Sempre me perguntam. Estive em um Mundial, uma Olimpíada (bronze em Sidney 2000), Copas América… Ficaria encantado em jogar nesta equipe, pelo mero fato de que esta geração é maravilhosa. Mas não posso deixar de pensar em tantos companheiros extraordinários que tive. Estou muito orgulhoso da minha etapa na seleção”.

P: Ao menos seu remate de cabeça…

R: “(Risos) Isso sim pelo menos, mas acho que Alexis remata bem, Vidal também, acredito que temos bons cabeceadores”.

 

 

AFP

Ultimas Noticias