NOTICIA DESTACADA

Seis times comemoram na largada da CONMEBOL Libertadores de Futsal 2022
Seis times comemoram na largada da CONMEBOL Libertadores de Futsal 2022
Palestra antidoping na prévia da CONMEBOL Libertadores de Futsal 2022
Palestra antidoping na prévia da CONMEBOL Libertadores de Futsal 2022
Venda local para Espectadores Argentinos da Final CONMEBOL Sudamericana 2022
Venda local para Espectadores Argentinos da Final CONMEBOL Sudamericana 2022

Mundialito Uruguai 1980/81 (Primeira Parte)

Como celebração pelos 50 anos da primeira Copa do Mundo da história, Uruguai organizou um certame denominado “Mundialito”, com a participação das outras cinco seleções que haviam sido campeãs: Itália, Alemanha Federal, Brasil, Inglaterra e Argentina.

Como celebração pelos 50 anos da primeira Copa do Mundo da história, Uruguai organizou um certame denominado “Mundialito”, com a participação das outras cinco seleções que haviam sido campeãs: Itália, Alemanha Federal, Brasil, Inglaterra e Argentina.

Todos deram sua conformidade, exceto os ingleses, que recusaram o convite, sendo suplantada pela Holanda, que chegou a ser vice-campeão nas duas últimas Copas do Mundo, que corresponde à definição para os anfitriões (a Alemanha Ocidental em 1974 e Argentina em 1978).

O torneio foi realizado em dois grupos de três equipes cada uma, avançando apenas do primeiro à final. A peculiaridade é realizada em uma data incomum para uma competição entre equipes, uma vez que teve lugar entre 30 dezembro de 1980 e 10 de janeiro de 1981.

Na zona A, estiveram Uruguai, Itália e Holanda, onde o local abriu a competição enfrentando os “laranjas” no Estádio Centenário (sede de todos os jogos) absolutamente lotado. Desde o início o time “celeste” foi mais sólido do que o seu adversário e no final da primeira etapa fez os gols do 2-0 definitivo através de Venancio Ramos e Waldemar Victorino.

Em 3 de janeiro, mais uma vez o Uruguai saiu o campo de jogo para sua segunda apresentação. Pela estrutura do fixture, superou os italianos, e se classificava automaticamente à final, uma vez que não deixou nenhuma chance para seus dois adversários no grupo. Foi um jogo parelho, que só desequilibrou no segundo tempo, quando seus defensores apareceram surpreendentemente para quebrar a forte última linha contínua “azurra”, composta por Oriali, Scirea, Gentile e Cabrini. Devemos salientar a ausência de seu histórico goleiro Dino Zoff. Aos 65,  Morales abriu o placar com um pênalti e Victorino inefável, a dez minutos do epílogo, marcou o segundo.

Uruguai já estava na final, com uma equipe sem muitos luxos, mas que sabia perfeitamente seus defeitos e virtudes. Esperava pela definição da outra zona que se apresentava com mais força, entre os argentinos, alemães e brasileiros, que desenvolveremos, junto com a definição do evento, na próxima nota.

Eduardo Bolaños/conmebol.com

Design: RS/conmebol.com

Últimas Noticias