NOTICIA DESTACADA

2 times brasileiros e 1 equatoriano conquistam leve vantagem no torneio
2 times brasileiros e 1 equatoriano conquistam leve vantagem no torneio
CONMEBOL deixa de exigir teste negativo de COVID para suas competições
CONMEBOL deixa de exigir teste negativo de COVID para suas competições
Detentores de direitos televisivos confirmados para a Sub-20 Intercontinental
Detentores de direitos televisivos confirmados para a Sub-20 Intercontinental

Vai começar a Copa Mundial Feminina Sub-17 da FIFA

Venezuela, Brasil e Paraguai, representantes da América do Sul, estão ansiosos pelo Mundial e mostrar a qualidade futebolística característica do continente sul-americano. As vinhotintos, garotas do Brasil e albirrojas têm um objetivo comum: erguer a taça e pendurar as medalhas douradas.

Amã, capital do Reino Hachemita da Jordânia e centro comercial, industrial e administrativo do reino, recebe a Copa Mundial Feminina Sub-17 da FIFA a partir desta sexta-feira 30 de setembro.

Venezuela, Brasil e Paraguai, representantes da América do Sul, estão ansiosos pelo Mundial e mostrar a qualidade futebolística característica do continente sul-americano. As vinhotintos, garotas do Brasil e albirrojas têm um objetivo comum: erguer a taça e pendurar as medalhas douradas no dia 21 de outubro, dia da grande final no estádio Internacional de Amã com capacidade para 13.000 espectadores.

Porém estão cientes que o caminho não será fácil. Venezuela, a campeã sul-americana integra o Grupo B e compartilhará o palco com Alemanha, Camarões e Canadá na primeira fase. Brasil, vice-campeã, no Grupo C irá enfrentar Nigéria, Inglaterra e República da Coreia, enquanto Paraguai que ficou com o terceiro e último bilhete do Sul-Americano Sub-17, conforma o Grupo D com Estados Unidos, Gana e Japão. As listas completas de boa fé podem ser observadas neste ENLACE.

Na Jordânia, a CONMEBOL também tem representantes arbitrais, Laura Fortunato da Argentina, Regildenia Holanda do Brasil e Viviana Muñoz da Colômbia, ademais de árbitras assistentes, cuja nômina pode ser vista AQUI.

"Há muito por fazer na região, mas as primeiras sementes já estão plantadas", indica a organização, que estabelece o Mundial sub-17 como "o ponto de partida de um grande programa de desenvolvimento do futebol feminino" na Jordânia.

Por conseguinte, na Jordânia 2016 há muito em jogo, tanto dentro como fora de campo. Com a luta pelo título mundial e pela emancipação da mulher, esta será outra Copa Mundial Feminina Sub-17 que vale a pena apoiar.

 

 

 

CONMEBOL.com

Com dados da FIFA.com

Últimas Noticias