NOTÍCIAS DESTACADA

Brasil e Argentina campeões mundiais no mesmo dia
Brasil e Argentina campeões mundiais no mesmo dia
VAR CONMEBOL: análise de situação de jogo da Sudamericana – Colo Colo x Internacional
VAR CONMEBOL: análise de situação de jogo da Sudamericana – Colo Colo x Internacional
O campo de futebol da CONMEBOL: um espaço para clubes e seleções
O campo de futebol da CONMEBOL: um espaço para clubes e seleções

Zulma Quiñónez: “A única maneira de quebrar barreiras é trabalhando”

zua

Desde pequena, Zulma Quiñónez sonhava estar ligada ao esporte que tanto a apaixona: o futebol. Não conseguiu ser jogadora, mas isso não deteve o seu desejo. “Ver muitos homens e poucas mulheres neste ramo, foi como uma motivação para mim”. Hoje, pela primeira vez na história, uma mulher paraguaia será a quarta árbitra assistente na CONMEBOL Sul-Americana.

As mulheres continuam abrindo passo no esporte-rei. A paraguaia Zulma Noemi Quiñónez Lezcano, de 33 anos, de profissão docente e bacharel em Educação Física, foi convocada pela primeira vez para integrar um quartero arbitral, em uma partida correspondente a um torneio internacional masculino.

A juíza paraguaia, que tem insígnia FIFA desde 2012, estará no jogo desta terça, entre River Plate do Uruguai e Atlético Grau do Peru, pela CONMEBOL Sul-Americana 2020.

“Isto foi passo a passo. No meu país começaram a nos dar oportunidades para dirigir jogos de Primeira Divisão, categoria intermediária, Primeira C e na Copa Paraguai. Até que chegou o convite por parte da CONMEBOL para participar da pré-temporada masculina, onde consegui passar e agora estou vivendo este momento intensamente”, conta para a CONMEBOL.com Quiñónez, emocionada por sua primeira convocatória.

Chutando bola no pátio da sua casa, Zulma percebeu que tinha uma grande motivação em relação ao futebol. Sua família não estava convencida, mas a apoiou em sua decisão e, apesar de que não pôde ser jogadora, pensou que poderia estar ligada ao futebol como árbitra.

“A motivação foi quebrar as barreiras trabalhando para conseguir meu sonho. Quando comecei éramos bem poucas as que abraçavam esta profissão, mas isso não me fez desistir, pelo contrário, me deu mais forças para conseguir meu objetivo”, afirma Quiñónez.

Ainda que também teve seus momentos duros, a árbitra assegura que recebeu muito mais satisfações do que penas durante sua carreira. “No ano passado por exemplo estive dirigindo a final da CONMEBOL Libertadores Feminina e tive minha estreia na Copa Paraguai”, destaca.

Para Quiñónez, as mulheres têm todas as ferramentas para triunfar no futebol. “Não devemos limitar a nossa mente. Acreditar Sempre é a chave, focalizando um objetivo tudo é possível”. indica Zulma Quiñonez.  

Desta maneira, a paraguaia Zulma Quiñónez e a brasileira Edina Alves formarão parte da equipe arbitral em jogos da CONMEBOL Sul-Americana, uma decisão que marca o regresso de árbitras ao torneio depois de 15 anos.

 

 

 

 

CONMEBOL.com

Ph: Nadia Monges

Ultimas Noticias