Cree en grande.
CONMEBOL

Santos e Boca Juniors, duelo de gigantes pelo passe à final

Santos e Boca Juniors, duelo de gigantes pelo passe à final

No mítico Maracanã, onde será disputada a final da Libertadores-2020, Pelé cimentou o bicampeonato continental do Santos. O rival daquela jornada de 1963 é o mesmo que o Peixe tentará vencer nesta quarta-feira para voltar ao Rio: o poderoso Boca Juniors.

O duelo definitivo de semifinais na Vila Belmiro começa igualado após o empate de 0-0 na Bombonera na semana passada. Contudo, os paulistas caminham altivos e firmes, com o sonho de voltar a plasmar a lembrança em realidade.

No dia 4 de setembro de 1963 o Santos de Pelé, Coutinho e Gilmar derrotou o Boca por 3-2 no Maracanã. A volta da final daquela Libertadores, sete dias depois, na casa dos argentinos, foi outra vitória (2-1) com gol do Rei. E representou a segunda Libertadores na vitrine alvinegra.

Após quase sessenta anos, uma nova geração liderada por Alexi Stival "Cuca", procurará fazer que o Peixe passe a ser o primeiro tetracampeão brasileiro da Libertadores (também campeão em 2011) com o templo sul-americano, onde no dia 30 de janeiro será disputada a final.

A arma do Santos foi a resiliência. Imersos em uma profunda crise econômica e com uma sanção que os impede fichar, os brasileiros souberam se adaptar às dificuldades dentro e fora do campo.

Para o duelo definitivo de semifinais precisarão dessa versatilidade. O goleiro titular John é baixa por covid-19, um contágio que causou polêmica na Argentina porque o goleiro jogou estando contaminado em Buenos Aires. O zagueiro reserva, Wagner, está com o mesmo problema.

João Paulo, inicialmente na lista até contrair o vírus em novembro, agora defenderá o gol do Peixe, que apenas recebeu três gols em cinco jogos copeiros disputados em casa.

Salvo a modificação no arco, os paulistas provavelmente repetirão o onze que empatou como visitante, comandados pelo venezuelano Yeferson Soteldo e os atacantes Marinho e Kaio Jorge.

-Dados-

Árbitro: Wilmar Roldán (COL)

Estádio: Vila Belmiro, Santos.

Horário: 19H15 locais (22H15 GMT)

-Antecedentes-

  • O jogo de ida (0-0) foi o primeiro empate entre Boca Juniors e Santos pela CONMEBOL Libertadores; tinham ganhado dois jogos cada um nos seus anteriores duelos no torneio (o Peixe triunfou nas duas finais de 1963 e o Xeneize em 2003).
  • Santos avançou em sete das oito ocasiões prévias que empatou o encontro de ida como visitante em uma fase eliminatória da Libertadores; só não conseguiu nas quartas de final de 2017, contra Barcelona de Guayaquil (1-1 como visitante, 0-1 como local).
  • Boca Juniors não conseguiu avançar nas últimas quatro ocasiões onde igualou a partida de ida como local na CONMEBOL Libertadores: Fluminense nas semifinais de 2008, Corinthians nas finais de 2012, Newell’s nas quartas de final de 2013 e River Plate na final de 2018.
  • Marinho, do Santos, recebeu seis faltas do Boca Juniors na ida da CONMEBOL Libertadores; pelo menos quatro mais que qualquer outro jogador no jogo.
  • Entre Eduardo Salvio e Tevez (3) anotaram nove dos 13 gols do Xeneize no torneio; além disso, Tevez participou de cinco dos nove remates do Boca sobre o Santos no jogo de ida.

 

 

AFP/OPTA

CONMEBOL.com